Mestre GigantePerde a Bahia, perde o Brasil, Francisco de Assis, nascido em 1920, filho de Emídio e Francisca, é conhecido na Roda de Capoeira Angola como Bigodinho, na Roda de Capoeira Regional como Gigante e pelos mais antigos como Pequenininho. Iniciou-se na Capoeira no Jardim Suspenso da Barra, com Mestre Cobrinha Verde e depois foi aluno de Mestre Pastinha.  "Mudou de partido" quando foi para a academia de Mestre Bimba, apresentado por um amigo formado, que mais tarde apelidou-o de Gigante. Parceiro de Menino Gordo (muitas vezes confundido com ele por ser muito parecido), começou a ensinar no Seminário Central, passando depois para a sua Academia "Capoeira São Gonçalo", com sede à Rua Rodrigues Ferreira, 226, na Federação.

 Mestre Bigodinho tem no rol de sua criação o toque de Berimbau chamado "Cinco Salomão", que, como ele diz, é para "jogo miudinho, em baixo, jogo miudinho no chão, só embaixo". Além de ter participado do filme "Os Cangaceiros" e ser um exímio contador de "causos", Mestre Gigante, como bom e apaixonado seresteiro, não rejeita um bom violão para cantar e relembrar aventuras do passado. Gigante na esperteza e sabedoria, ficou no lado da Regional, que, segundo ele, pagava-lhe melhor do que a angola do mestre pastinha.

Mestre Gigante nos deixou  no dia 30 de maio de 2016 com seu legado sem igual. Para quem nunca o viu tocar, saiba que era um Gigante no Berimbau. Foi conviver com os mestres da nossa cultura que deram a vida pela capoeira, sem ter o reconhecimento do  poder público deste gigante Brasil. Assim é a vida. Salve mestre Gigante, que Deus o tenha em bom lugar. Até quando nossos mestres irão desencarnar sem ter uma condição decente para viver e  morrer em paz?